O presidente da OAB/DF, Francisco Caputo, almoçou nesta sexta-feira (27/8) com aproximadamente 80 advogados no restaurante Miau que Mia, na 107/108 Sul. A iniciativa foi da Comissão OAB Jovem, que criou o programa “Almoço com o Presidente” para propiciar a confraternização entre os advogados de Brasília.

Caputo afirmou que o encontro foi altamente positivo. “A ideia da Comissão de Apoio ao Advogado Iniciante foi extraordinária, porque permite o congraçamento dos advogados em um ambiente descontraído. Nós nos encontramos sempre nos fóruns, entrando numa audiência, buscando processo, tendo que voltar rápido para o escritório e não nos permitimos um contato amistoso como este. Podendo tratar até de questões jurídicas, mas o que dominou as conversas foram questões divorciadas da advocacia, tratando da vida comum de cada um”.

De acordo com o ex-conselheiro da OAB/DF Messias Souza o encontro do presidente com os jovens advogados é uma iniciativa promissora. Estabelece um diálogo necessário entre as várias gerações da advocacia do DF. “A própria experiência das antigas gerações com as novas só pode trazer um resultado frutífero para a OAB”.

O membro da Comissão OAB Jovem Michael Roriz disse que o propósito do encontro foi propiciar aos advogados mais recentes um contato com a presidência e a direção da OAB/DF. O advogado Rafael Leite mencionou que essa prática deve acontecer mais frequentemente, porque fortifica a união dos advogados: “esse é o primeiro passo”, afirmou.

Para o advogado Sandoval Curado Jaime, presidente da Comissão de Prerrogativas, “qualquer ideia que tenha como fundamento reunir advogados e colegas é sempre bem-vinda e elogiável. Portanto, a Comissão de Advogados Jovens, na pessoa do Dr. Délio Lins e Silva Filho, está de parabéns. Que essa iniciativa não termine hoje, mas perdure nos nossos 3 anos de mandato”.

A proposta da Comissão OAB Jovem é reunir advogados sempre na última sexta-feira de cada mês. “Isso é muito bom pra a união da classe: nós temos vários interesses comuns, podemos até eventualmente estar em polos opostos num determinado processo, mas a verdade é que somos colegas e precisamos de eventos como este para tornar nossa profissão mais leve, mais descontraída”, concluiu Caputo.