A Comissão de Defesa da Concorrência da OAB/DF ofereceu um café da manhã ao presidente Francisco Caputo, na quarta-feira (22/08), para agradecer o apoio da Seccional aos trabalhos realizados e pleitear que a comissão se torne permanente. O grupo foi criado em março de 2010, em caráter temporário, e atualmente conta com 30 membros.

“Nós, da comissão, nunca havíamos agradecido formalmente ao presidente todo o apoio oferecido desde o início dos nossos trabalhos. É a primeira vez na história da OAB/DF que se cria uma comissão de concorrência; isso é um marco histórico. Temos uma participação significativa junto ao Cade e é de extrema importância que a comissão esteja sedimentada dentro da Ordem”, diz Alexandre Bastos, seu presidente.

Alexandre continuou explicando a importância de transformar a comissão em permanente. “Esse é um segmento do Direito que tem chamado a atenção dos advogados, pois tem um campo muito vasto de atuação, além de todos os órgãos estarem sediados em Brasília. Não podemos deixar que todo o trabalho desenvolvido até aqui acabe com o fim da gestão”.

Caputo agradeceu o trabalho desenvolvido. “Tenho muito orgulho de a comissão ter sido criada na nossa gestão, pois é uma das mais ativas na Ordem. O Alexandre conduziu o grupo com muita propriedade, e isso é notório na interação dos membros e no reconhecimento do trabalho que está sendo desenvolvido. A comissão está mostrando sua força; saiu do zero e hoje é reconhecida por seu trabalho e sua capacidade. Ao invés de receber os agradecimentos, eu é que agradeço a vocês toda a dedicação”.

Sobre o pedido da alteração para uma comissão permanente, Caputo assumiu o compromisso. “Fico feliz em saber que todos têm muito trabalho e pedem mais. Vou encaminhar o pleito ao Conselho Pleno e não medirei esforços para alterar o Regimento Interno. Será uma forma de reconhecer e agradecer o trabalho de todos”.

Raquel Cândido, membro da comissão, disse que “a comissão está à disposição para ir ao Conselho Pleno apresentar o que já foi feito e o que está em andamento. É importante que os conselheiros conheçam o trabalho desenvolvido”.

O café reuniu os membros da comissão e o procurador geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, Gilvandro de Vasconcelos, que fez questão de comparecer e reafirmar a relevância dos trabalhos. Também disse que os advogados sempre poderão contar com o apoio da procuradoria.

Reportagem – Priscila Gonçalves

Comunicação Social – Jornalismo
OAB/DF