“Sem ética, democracia e estado de direito não passam de formalidades destinadas a sustentar o atraso político. Mas se depender apenas do Estado e suas instituições, as chances de mudança são mínimas”, garantiu a presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, na abertura do seminário Ética na Justiça – Atuação Judicial da Advocacia Pública e Privada, diante de uma platéia de cerca de oitenta pessoas que esteve no Centro Cultural Brasília nesta quarta-feira (27) para discutir os valores éticos no desempenho da Justiça.

Estefânia Viveiros afirmou acreditar que na base das distorções – como o clientelismo e o nepotismo, no que se refere à prática política, e a falta de compromisso com a verdade, a boa-fé e a correção de conduta, de um modo geral – está a carência nacional por educação. “Na medida em que promovermos a educação estaremos organizando a sociedade, e reduzindo – aí sim – a exclusão social, e aumentando a taxa de consciência ética dos brasileiros”, acredita a presidente da OAB/DF.

Participaram do encontro o presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/DF, Maria Luiza da Costa Estrela, a conselheira da OAB/DF Edylcea Tavares Nogueira de Paula, o procurador-geral da União, Moacir Antônio Machado da Silva, o corregedor-geral do Ministério Público Federal, Wagner Gonçalves, o professor Emerson Aguiar, a professora Daisy de Aspen e Valdez.