Em assembléia realizada nesta terça-feira (04), os defensores Públicos da União decidiram pôr fim a greve iniciada no dia 27 de março em todo o País. A partir de amanhã, as portas da Defensoria Pública da União voltam a abrir para o atendimento à população. Por dia, em todo o Brasil, mais de mil pessoas deixaram de ser atendidas por conta da greve.

Um dos principais motivos para o término da greve foi a edição na última sexta-feira da Medida Provisória que atende a uma antiga reivindicação da categoria: a criação novos cargos para a instituição. Serão criados 169 cargos. Com isso, subirá para quase trezentos o número de Defensores Públicos da União em todo o país. Um número ainda pequeno para atender a todos os brasileiros que recebem menos de dois salários mínimos (em torno de 90 milhões) e que precisam de assistência jurídica, pois não podem pagar por um advogado. O número ideal seria de pelo menos mil defensores da União em todo o país. Mas a criação dos 169 cargos, na avaliação do movimento,

já é uma vitória. “O Poder Executivo deu o passo inicial no sentido de reconhecer a importância de uma assistência jurídica pública, gratuita e de qualidade”, avalia o presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos da União (ANDPU), Holden Macedo.