A presidente da OAB-DF, Estefânia Viveiros, abriu o IV Encontro do Advogado Jovem do Distrito Federal na tarde desta sexta-feira (26). Jovens advogados e estudantes lotaram o auditório da OAB-DF para debater os temas mais relevantes para quem está em início de carreira.

Para compor a mesa, foram convidados o presidente da Comissão OAB Jovem, Jacques Veloso, o vice-presidente da Comissão, Castruz Catrambry, o conselheiro Vítor Lara, o presidente do Clube do Advogado, Adéliton Rocha e o ex-diretor-tesoureiro da OAB-DF, Severino Cajazeiras.

O primeiro painel teve como debatedores o vice-presidente da OAB-DF e presidente da Comissão de Estágio e Exame de Ordem, Paulo Thompson Flores, e o procurador federal, Cláudio Farag. O tema foi “Exame de Ordem: as dificuldades enfrentadas pelos candidatos”.

Thompson ressaltou que a avaliação do Exame de Ordem é imprescindível para a melhoria do ensino e a qualidade dos profissionais que atuam no mercado. Além disso, já há outras instituições em tempo de aderir a uma prova semelhante. “Outras profissões estão procurando junto ao Congresso a possibilidade de aplicar exames de ingresso na carreira”, contou ele. A exemplo, o Conselho Federal de Medicina já procurou a OAB-DF para saber da experiência de uma avaliação prévia para exercício profissional.

O vice-presidente da OAB-DF ainda destacou o crescimento desordenado das faculdades e a queda na qualidade do ensino jurídico como fatores preponderantes para o mau desempenho dos candidatos.

O procurador Cláudio Farag ressaltou também a vocação para a profissão como um fator relevante no desempenho da advocacia. “Antigamente, as pessoas faziam Direito porque eram tinham vocação. Hoje, alguém olha o valor do salário de um juiz e resolve ser”, disse ele. Mas, para o procurador, a unificação da avaliação seria uma forma de melhorar a forma de obter o registro na Ordem.