Por delegação da Diretoria, o vice-presidente da OAB-DF, Paulo Thompson Flores, também presidente da Comissão de Exame de Ordem, convocou a imprensa no domingo para informar que a entidade constatou indícios de fraude no III Exame de Ordem do DF de 2006, o último realizado. Os indícios foram detectados pela fiscalização do exame, que alertou para a possibilidade de uma resposta na prova de Direito Penal ter sido redigida depois da entrega do caderno. Diante da suspeita, a Diretoria contratou um perito que constatou não ter sido a mesma pessoa que preencheu, à mão, a ficha de identificação e o texto da resposta na prova. Diante disso, a Diretoria foi à Polícia Federal para requerer a instalação de um processo investigatório. Desde então a OAB/DF tem fornecido material para auxiliar as investigações da PF. O caso foi mantido em sigilo até domingo por solicitação da Polícia Federal, para não prejudicar as investigações e a identificação dos culpados. Mas rumores sobre o ocorrido chegaram, de forma truncada, ao conhecimento de alguns veículos de comunicação na noite de sábado, o que levou a Diretoria a designar o vice-presidente da Ordem e presidente da Comissão de Exame de Ordem para prestar esclarecimentos à imprensa já no domingo.Thompson Flores disse que a OAB/DF é a maior interessada na total apuração dos fatos e na manutenção da credibilidade do Exame de Ordem. A presidente Estefânia Viveiros, na manhã de domingo, pediu ao superintendente da Polícia Federal celeridade no esclarecimento dos fatos.