Dando sequência a uma série de lives organizada pela OAB/DF para auxiliar a advocacia no período de isolamento, o economista e sócio da G2W Investimentos, Ciro Almeida, falou aos advogados e advogadas, nesta quinta-feira (21/5), sobre finanças pessoais, investimentos e como se organizar em tempos de crise e pandemia. A transmissão ao vivo foi realizada no Instagram e conduzida pelo presidente da Seccional, Délio Lins e Silva Junior. Assista aqui.

O especialista fez uma análise do cenário de pandemia do ponto de vista financeiro e lembrou a surpresa com que as medidas foram anunciadas. “A economia global sofreu um infarto, ninguém estava preparado. No Brasil, estávamos tentando organizar a economia, que vinha de uma reforma da previdência”, enfatizou Ciro.

Para ele, a ausência de uma cultura de educação financeira contribuiu para que as pessoas fossem ainda mais atingidas pela repentina mudança no cenário econômico. “A educação financeira no Brasil nunca foi boa, não temos aqui este hábito. É uma questão histórica. Nossos pais, por exemplo, viveram tempos de altíssima inflação, quando os preços mudavam quase diariamente. Então, a forma de organizar as finanças era diferente”, explicou.

Ciro acredita que, para serem bem sucedidas, as pessoas devem se capacitar para alcançarem rapidamente a independência financeira.“Antes de tudo é necessário ir atrás de conhecimento, entender a educação financeira, buscar as referências certas para o que você planeja, pois há muita gente falando sobre o assunto”, alertou.

Outra dica do especialista é sair do fluxo orçamentário. “O brasileiro vive o fluxo de entrada e saída. E aí poupa o quê? O que sobrar, mas não é assim que conseguirá ter um bom planejamento financeiro. Tem que sair disso. Tem que buscar a independência financeira. O ideal seria ver sua expectativa de receita média, se organizar para pagar tudo o que deve, monetizar seus objetivos a curto, médio e longo prazo, e, por fim, guardar dinheiro e investir”, pontuou.  

Segundo o economista, o planejamento financeiro é para todo mundo, não importa a renda. “É necessário planejamento para organizar as finanças e cuidar disso é um hábito diário. Não é fácil, mas se você não se organizar entrará num círculo vicioso de endividamento. É preciso estruturar cada gasto do seu dia”, aconselhou.

Mudar para se colocar no mercado
O presidente da OAB/DF acredita que, neste tempo de pandemia, é necessário a advocacia se reinventar. “Há dois meses era inimaginável se fazer um despacho por plataforma digital, participar de uma audiência pela internet, entre outras mudanças. E é claro que muita coisa muda com a tecnologia, mas temos que entender que ela veio para ficar. O mundo está mudando e se não nos adaptarmos ficaremos para trás”, observou Délio Lins.

Segundo o economista, “diversos segmentos da sociedade estão tendo que se reinventar e não seria diferente para a advocacia. “A dica é entender esta nova realidade e buscar alternativas de negócio. Repense o que é melhor para se manter, um local de trabalho fixo ou compartilhado, quais são as prioridades dos custos para sobrevivência de um escritório, quanto gastaria em cada opção, faça planos. Analise suas finanças de duas a três vezes por semana, pois aí saberá o que pode ou não fazer”, acrescentou Ciro.

Como panorama final, o especialista elencou: “não negligencie a vida financeira; saiba quanto gasta em tudo e quanto quer poupar; cuide do seu emocional, mantenha sempre a calma nas decisões do que comprar ou não; busque auxílio de um profissional financeiro, entendendo qual é o melhor para você; e entenda o que pode planejar a curto, médio e longo prazo para, então, gerar uma independência financeira excelente.”

 

Comunicação OAB/DF
Texto: Neyrilene Costa (estagiária sob a supervisão de Ana Lúcia Moura)