A Comissão de Gestão de Escritórios de Advocacia do Distrito Federal da OAB/DF discutiu em palestra, na última terça-feira (18/8), o tema “Como Empreendemos nas Nossas Carreiras?”. Para dar dicas e compartilhar experiências de vida, os palestrantes foram Paulo Roque, fundador do Escritório Roque Khouri e Pinheiro Advogados Associados, e Érika Siqueira, presidente da Comissão. A mediação foi de Sheyla Deusdará, advogada membro da Comissão.

“Refletir sobre como o empreendedorismo tem o potencial de revitalizar o pensamento gerencial do século 21 é de vital importância. E, como a inovação sempre vem atrelada às práticas empreendedoras, termina que inspira o pensamento das pessoas a saírem da caixinha”, afirmou Sheyla Deusdará na apresentação dos convidados.

INÍCIO DA CARREIRA

“No início da minha carreira, era estagiário ainda, recebi um telefonema dizendo que tinha passado em concurso público para analista judiciário. Só que eu já tinha decidido que queria advogar. Então, segui meu sonho e não tomei posse. Corri atrás do que eu queria fazer”, conta Paulo Roque.

Segundo Paulo Roque, uma dica fundamental, no começo da carreira, é: “Save the money (guarde dinheiro), aprenda a economizar”.

“Mas o que tem a ver economizar com a advocacia?”, perguntou o palestrante, para ele mesmo responder: “O caminho inicial da profissão não dá estabilidade. É preciso guardar dinheiro para que no futuro você possa viver dessa profissão. Nos primeiros seis meses do meu escritório fiquei sem receber nenhum honorário e, se antes eu não tivesse poupado, não teria resistido. Então, todo crescimento está condicionado à capacidade de poupança”, elenca o profissional.

Manter o “comprometimento com a advocacia” é outro aspecto absolutamente necessário, segundo Roque. “Não divida o foco. Tive colegas que fizeram três coisas ao mesmo tempo e, depois de um período, disseram que a advocacia não deu certo. O motivo, na verdade, foi: dividiram o foco e isso não funciona. A advocacia é ciumenta, tem que ter comprometimento com ela. E isso quer dizer tratar bem o cliente, o caso que lhe é entregue, e estudar sempre. A profissão não é uma relação econômica, puramente, é humana. As pessoas vão a um escritório em que se sintam bem tratadas e acolhidas. É aí que se começa a fazer o nome no ramo”, ressalta.

“Quem especializa o advogado é o cliente. No começo da carreira, não se pode dar ao luxo de ficar escolhendo os clientes. Então, em tudo o que fizer, é precioso tratar como se a pessoa só tivesse você para resolver aquilo. Seja simpático, sincero, honesto! As coisas vão começando a caminhar até você poder receber clientes na área que mais tem afinidade de trabalhar”, completa Paulo Roque.

PAIXÃO

Para a presidente da Comissão de Gestão de Escritórios de Advocacia do Distrito Federal da OAB/DF, Érika Siqueira, é preciso encontrar a paixão naquilo que se quer empreender e advogar. “Esse é um tema maravilhoso e inspirador, costumo dizer que atrás das roupas da advocacia há pessoas que têm de se conectar com outras para fazer o Direito dar certo.”

“O que te motiva? Essa é a pergunta que deixo para vocês. Um caminho é percorrido com o caminhar, não adianta pular etapas e processos. Qual a sua área de interesse, qual a sua paixão? A partir daí, você vai estudar e dedicar energia a ela. Quando for buscar um escritório para atuar, tem que ser algo que tenha seu interesse ali. Como o Paulo Roque disse, não se deve recusar clientes, mas, no meio tempo de atendê-los, você pode dedicar-se a algo que tenha paixão, capacitando-se para lá na frente poder atuar nisso”, aconselha Érika Siqueira.

Segundo ela, na advocacia é preciso muito esforço e planejamento para que a carreira dê certo. “O momento que estamos vivendo é muito desafiador, por conta da pandemia. Está difícil colocar-se ou ficar na advocacia. Então, é importante, para quem está entrando no mercado de trabalho, aproveitar as oportunidades que virão e estão aí, como o coworking e o home office. Inovar é sempre importante para conseguir uma boa colocação, portanto, crie possibilidades”, diz a presidente da Comissão de Gestão de Escritórios.

Para ter sucesso em empreender, Érika Siqueira ainda destaca a importância de fortalecer habilidades em relacionamento interpessoal. “A parte comportamental é muito importante e inerente a todos que sabem empreender. Há três dicas que deixo para a área: primeira, confiança alinhada ao conhecimento; segunda, planejar as rotinas e estratégias do escritório; terceira, persistir. No começo é difícil, mas, no empreendedorismo não se pode desistir ao longo do caminho. Então, capacite-se, crie habilidades, estude e tenha bons relacionamentos, pois são as pessoas que geram bons resultados”, conclui a presidente.

Confira a íntegra da palestra no Canal do YouTube da OAB/DF

Comunicação OAB/DF
Texto: Neyrilene Costa (estagiária sob a supervisão de Montserrat Bevilaqua)
Foto de capa: br.freepik.com