A presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, abriu o I Seminário da Comissão da Mulher Advogada, nesta quarta-feira (15), dizendo que os últimos dados do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil mostram que 42% dos advogados profissionais do país são mulheres, ou seja, representam 200 mil dos 450 mil profissionais em atividade. “E este é um número que só tende a crescer, pois a média de idade das advogadas se encontra entre 21 e 35 anos, e nas faculdades de Direito elas já representam mais da metade dos estudantes”, reiterou. Segundo a presidente da OAB/DF, no Distrito Federal o número de mulheres advogadas com até cinco anos de profissão está alcançando o de homens: o recadastramento realizado pelo Conselho Federal em 2003 registrou 2099 mulheres contra 2.447 homens. “Mas é possível que as advogadas agora já sejam a maioria”, disse Estefânia Viveiros. A presidente da OAB/DF ressaltou a sensibilidade das mulheres no trato das questões mais delicadas da advocacia, principalmente no que se refere a questões envolvendo crianças e família, e afirmou que sua participação maciça na atividade profissional no Brasil é fruto de muitos anos de luta, principalmente contra o preconceito. Ela cobrou maior participação das mulheres nos tribunais superiores, e sugeriu a união entre as advogadas para que possam, definitivamente, se fortalecer. “A luta das mulheres não é mais uma luta feminista, no exato sentido da expressão. É, sim, uma luta feminina pela conquista dos seus direitos, em especial os direitos profissionais, que não têm como objetivo destacar as diferenças entre os sexos, mas elevar as igualdades”, acredita Estefânia Viveiros.