Em entrevista nesta segunda-feira (15) ao programa “Fala Brasília”, da TV Record, ancorado pelo jornalista Oto Sarkis, a presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, chamou a atenção para os desdobramentos da crise política nacional que, na sua avaliação, deve levar a punições de mais de uma dezena de parlamentares. Estefânia evitou falar da possibilidade de impeachment do presidente da República, sob a alegação de que ainda é cedo para assegurar se a crise reúne todos os elementos, jurídicos e políticos, necessários a esta medida.

O tema do debate, que teve participação do Secretário de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do DF, Izalcy Lucas, foi a crise e seus efeitos na sociedade. De acordo com avaliação de Estefânia Viveiros, o País está caminhando sob aparente normalidade, pelo menos econômica. “Mas onde quer que estejamos, a conversa não é outra. Há uma imensa decepção, que talvez iremos sentir mais fortemente nas eleições. Não é fácil trocar a esperança pela decepção”, disse.

Sobre o pronunciamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em rede nacional, Estefânia comentou: “O Brasil inteiro esperava algo mais forte. Por exemplo, que o presidente desse indicações claras sobre quem o traiu e por quê o traiu. Também não vimos, em nenhum momento, o presidente usar a primeira pessoa quando afirmou que o PT devia pedir desculpas à Nação”, comentou.

Estefânia defendeu também uma reforma política profunda, mas fez uma ressalva: “A OAB vem insistindo nisso há décadas, mas por que temos o velho hábito de só agirmos no calor dos acontecimentos? É assim também quando ocorre um crime hediondo e o Congresso se alvoroça todo para mudar a legislação penal. Ora, nossos códigos são bons, só precisam ser aplicados. Então, vamos discutir as mudanças na legislação política, mas que o façamos com calma, com muita discussão e participação da sociedade, para que seja aprovado algo duradouro”, afirmou.