Brasília, 10/05/2011 – A Fundação de Assistência Judiciária (FAJ) da OAB/DF montou estande com 15 advogados, para atendimento gratuito na ação social realizada em Taguatinga no sábado (07/05) pelo projeto “Sim para Família”, da igreja Comunidade Cristã Ministério da Fé. No estacionamento da Feira Permanente da cidade foram disponibilizados serviços para a população, que pôde contar com laboratórios para o aferimento de taxas de glicemia e pressão sanguínea, consulta de pendências no Detran, cortes de cabelo, entre outros.

A coordenadora do “Sim para Família”, Sandra Faraj, ressaltou a importância do apoio da FAJ para o sucesso do evento. “Levamos à comunidade o que ela precisa, e essa orientação é imprescindível dentro de nossa proposta, pois muitas pessoas não sabem como fazer para receber uma pensão ou tirar familiares da cadeia e responder seus processos em liberdade”.

Entre os voluntários havia estudantes e advogados com mais de 30 anos de profissão, como o coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas, em Taguatinga, da Universidade Católica de Brasília, Francisco Fontenele de Carvalho. “A advocacia é uma atividade que iguala as pessoas. Acima temos a lei, e mais acima, o direito. É isso que trazemos às pessoas: o conhecimento do seu direito”.

A estudante do 9º semestre, Conceição de Maria Martins, acredita que o trabalho em ações sociais desse tipo é uma troca. “Você chega com o pouco que sabe e aprende muito com as situações; agrega conhecimento”.

Os advogados orientaram um economista que não quis se identificar. Ele queria saber se seria possível entrar na Justiça contra seus empregadores. “Fui acusado injustamente no meu trabalho. Continuo no mesmo emprego. O caso ocorreu há dois anos. Minha dúvida é saber se seria possível entrar com alguma ação, mesmo passado esse tempo. Os advogados afirmaram positivamente”.

A Subseção de Samambaia também participou da ação social em Taguatinga. Seus advogados também prestaram atendimento gratuito. O presidente Lairson Rodrigues Bueno acredita que “é trabalho da OAB esta identificação com a cidadania. Para isso é preciso estar perto da comunidade”.

Reportagem – Demétrius Crispim
Foto – Valter Zica
Assessoria de Comunicação – OAB/DF