Nos últimos meses, a Terceira Câmara do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou por unanimidade as contas da gestão de Ibaneis Rocha à frente da Seccional da OAB do Distrito Federal, entre 2013-2015, e as contas do primeiro ano de gestão de Juliano Costa Couto, 2016.

O conselheiro-relator Marcelo Terto Silva (GO) votou, com moção de louvor, pela aprovação das contas da gestão. Em seu voto sobre o exercício do então presidente Ibaneis Rocha, atual secretário-geral adjunto da OAB nacional, o relator observou que a Seccional saiu de um quadro deficitário para a situação de superávit. Ainda de acordo com o relator, os números da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA/DF) também indicaram resolução de pendências e reorganização contábil ainda no primeiro ano daquela gestão.

Ao votar pela aprovação de contas, Marcelo Terto afirmou que os documentos apresentados, “demonstraram não apenas a regularidade das contas, mas a competência com que se recuperou a saúde financeira da Seccional”.

A aprovação das contas para Ibaneis Rocha, atual diretor da OAB nacional e conselheiro federal,  “representa um grande valor, uma grande importância. E a prova de que a diretoria, que tive a honra de presidir, trabalhou com afinco, investindo o dinheiro dos advogados naquilo que realmente importava. Fecha-se um ciclo da minha gestão com a aprovação de todas as contas e fica a alegria de ter compartilhado com todos os advogados do Distrito Federal esse período de evolução e de transparência da OAB do Distrito Federal”.

Para Juliano Costa Couto, atual presidente da OAB/DF, “a aprovação das contas com louvor é o reconhecimento do sério trato que demos dado às contribuições destinadas à Ordem”.

O conselheiro federal Luiz Henrique Cabanellos Schuh também votou pela aprovação com moção de louvor das contas da gestão Juliano Costa Couto. “O trabalho desenvolvido pela diretoria e pelo Conselho da Seccional da OAB/DF, afora demonstrar a transparência, o zelo e a eficiência da gestão empreendida, demonstra também a excelência na condução dos interesses da advocacia do Distrito Federal, cumprindo, com folga, a missão que lhe competia”.

Antonio Alves, diretor-tesoureiro da OAB/DF, é responsável pelo equilíbrio das contas da Seccional nas duas gestões. “A gente precisa de um bom orçamento, planejamento, execução e da compreensão de todos os envolvidos na máquina. A aprovação das contas, da forma como ocorreu, demonstra o zelo da Seccional e da gestão com o dinheiro da anuidade”.

Fotos – divulgação