Em homenagem póstuma ao ministro Carlos Alberto Menezes Direito, o Supremo Tribunal Federal (STF) realizou, nesta quinta-feira (1º), missa do trigésimo dia do falecimento do jurista. Foi a primeira vez que o STF realizou uma celebração do gênero no Salão Branco da corte. A presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, representou o Conselho Federal da OAB na solenidade, designada pelo presidente nacional da Ordem, Cezar Britto. A missa foi celebrada pelo arcebispo Dom Lourenzo Baldisseri com a presença da família e amigos. O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, foi o responsável pela primeira leitura, bem como pelas palavras finais. Ele se referiu ao ministro Menezes Direito como “o brasileiro exemplar, amigo leal, colega de todas as horas e homem que, mesmo nos momentos mais difíceis, manteve a inabalável fé e a espiritualidade elevada”. Participaram da missa os ministros que conviveram com Menezes Direito tanto no Superior Tribunal de Justiça (STJ), quanto no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no STF. Magistrados, políticos, parlamentares e servidores também estavam presentes. História Menezes Direito faleceu no dia 1º de setembro depois de ficar afastado por cerca de quatro meses para tratamento médico. Ele tinha 66 anos e, desde 2007, atuava como ministro do STF. Indicado para ocupar a cadeira em 2007, ele já havia atuado durante onze anos como ministro do STJ e também atuou como ministro do TSE. Era conhecido também por ser um grande humanista e pelos votos detalhados que levava ao tribunal.

Com informações do STF