A OAB/DF, em parceria com a Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras), promoveu nesta quarta-feira (4), na sede da Seccional, em Brasília, o curso “Mundo Islâmico – Sociedade, Cultura, Estado”. Dividido em cinco módulos – “Religião, Princípios e Estrutura Doutrinária”; “História Civilizacional Islâmica”; “O Direito Islâmico e sua Relação com o Direito Estatal”; “Islam e Geopolítica”; e “Islam: Economia, mercado e comércio internacional” -, as aulas foram conduzidas em formato de seminários por professores especialistas no assunto.

A abertura do curso foi feita pelo secretário-geral da Seccional, Jacques Veloso. Ele destacou a importância do debate de tema que normalmente é tratado com muito preconceito pela sociedade. “Nós estamos vivendo um momento em que a necessidade de aparecer e propagar rapidamente informações faz com que tenhamos informações cada vez mais rasas, sem conteúdo, espalhadas de forma cada vez mais irresponsável. Essa falta de conteúdo e de conhecimento é a principal raiz do preconceito. Esse debate vai nos trazer conhecimento, aprofundar questões e fazer com que nós conheçamos melhor o assunto e, dessa forma, consigamos propagar conteúdo de qualidade”.

Clarita Maia, presidente da Comissão de Relações Internacionais da OAB/DF, explicou que o preconceito com relação ao mundo islâmico e outras culturas deve ser enfrentado com conhecimento. “A razão deste curso é tentar fornecer para o operador do direito informações que nos façam sair daquele senso comum em geral grotesco, em geral desinformado e absolutamente preconceituoso em relação ao mundo islâmico”, disse.

O vice-presidente da Fambras, Ali Zoghbi, elogiou a iniciativa da OAB/DF de promover eventos que tragam conhecimento acerca de cultura tão importante e intrigante, como a islâmica. “Um em cada quatro habitantes do planeta é da religião islâmica. Portanto, sob qualquer prisma, nós precisamos conhecer um pouco mais desta religião, deste povo. Além disso, acaba sendo uma atividade republicana, uma vez que o Brasil, como país laico, permite a prática de qualquer religião de forma livre, tranquila. Esses argumentos, por si só, ressaltam a importância da realização deste evento voltado a debater o mundo islâmico em sua sociedade, cultura e Estado”.

Ponto de vista compartilhado por Guilherme Chamum, secretário-geral adjunto da Comissão de Relações Internacionais da Seccional e membro da comunidade libanesa de Brasília. “Como neto de libanês, fico muito feliz em testemunhar a realização deste curso. O que presenciamos cotidianamente é uma total desinformação acerca do mundo islâmico, razão pela qual tenho certeza de que aqui teremos uma oportunidade única de aprendizado”.

Compuseram o quadro de docentes do curso: o vice-presidente da Fambras, Ali Hussein El Zoghbi; o juiz federal Ali Mazloum; o advogado e ativista Edgard Raoul Gomes Neto; o diplomata e coordenador do Núcleo de Estudos Asiáticos da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Fausto Martha Godoy; o professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Jamil Ibrahim Iskandar; a auditora técnica da Fambras, Michele Villadal; e o presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira (CCAB), Rubens Hannun.