O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, e o vice-presidente da OAB/DF, Ibaneis Rocha, se reuniram nesta terça-feira (1°) com o diretor-geral da Polícia Civil do Distrito Federal, Cleber Monteiro. Eles
cobraram aceleração nas investigações para esclarecimento do assassinato do advogado José Guilherme Villela, 73 anos, de sua mulher, a advogada Maria Carvalho Villela, e da governanta Francisca Nascimento da Silva.

Os corpos foram encontrados na noite desta segunda-feira (31) no apartamento em que residiam na superquadra 113 Sul. “Esse caso não pode deixar de ser esclarecido: o crime não pode compensar e os crimes bárbaros precisam de punição rápida e da exemplar atuação da Polícia, até mesmo para que a criminalidade não seja estimulada”, afirmou Britto ao final da reunião com o diretor-geral da Polícia Civil. Britto colocou a OAB à disposição da Polícia Civil para ajudar no que for preciso para o esclarecimento do crime. Ele destacou após o encontro com o delegado Cleber Monteiro – realizado na sede do Departamento de Polícia Especializada do DF – que a Polícia se mostra empenhada em solucionar o crime, pois o delegado lhe informou que já colocou uma equipe especial para trabalhar nas investigações, juntamente com a 1ª Delegacia de Polícia, que está conduzindo o inquérito. O delgado disse que todas as linhas de investigação sobre as mortes estão sendo seguidas pela Polícia Civil, à qual chamou a atenção o excessivo número de facadas no corpo do advogado. O presidente nacional da OAB insistiu, contudo, na necessidade de rápido esclarecimento do crime pelas forças policiais envolvidas na investigação. “Crime bárbaro tem que ter resposta imediata, ainda mais um crime como esse que ceifou a vida de três pessoas de bem”, cobrou. O secretário da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas da OAB, Ibaneis Rocha, por sua vez, disse ter uma expectativa favorável sobre o desvendamento da autoria do crime, pois o índice da Polícia Civil do DF quanto à solução desses casos seria de cerca de 80%. Com informações da OAB Nacional