Com a presença da presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, foi lançada nesta segunda-feira (03) a Campanha Nacional de Combate à Corrupção Eleitoral, liderada pelo Conselho Federal da OAB e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A campanha conta com o apoio de outras 18 entidades.   No Conselho Federal, a Comissão encarregada de receber, analisar e encaminhar às autoridades as denúncias de corrupção e abuso de poder nas eleições de outubro é presidida pelo conselheiro Amauri Serralvo, do DF.   A campanha acontece a cada quatro anos, sempre em ano de eleições presidenciais. A utilização de caixa-dois para financiamento das campanhas é um dos temas que será abordado.   Segundo Estefânia Viveiros, além finalidade corporativa em defesa dos interesses dos advogados, a OAB deve cumprir também sua missão institucional, de interesse da sociedade. “São finalidades que se entrelaçam, razão porque devemos abraçar essa campanha como uma forma de fazer política – não a política partidária, mas a boa política, a política da ética”, disse ela. “Com isso, estaremos contribuindo para conscientizar o cidadão a escolher melhor os seus representantes”.   Durante o lançamento da campanha, o presidente da CNBB, dom Geraldo Majella, conclamou a sociedade a votar consciente nas eleições de outubro próximo, lembrando que a democracia supõe um processo lento de aprendizagem e amadurecimento, tanto para mandatários quanto para eleitores.   A OAB colocará à disposição da campanha suas 27 Seccionais e a CNBB suas 10 mil e 480 paróquias, dando sustentação logística. O candidato que tiver práticas irregulares denunciadas aos comitês poderá ter seu registro cancelado ou, depois de eleito, seu diploma cassado. A parceria entre OAB e CNBB será realizada pela quarta vez na história, nas próximas eleições presidenciais.