Brasília, 22/8/2013 – O livro “A bailarina empoeirada – Histórias do povo de Brasília” será lançado no dia 29 de agosto, às 19h, no Memorial Darcy Ribeiro (UnB). Assinada por Luiz Humberto de Faria Del’Isola e Noemia Barbosa Boianovsky, a obra conta histórias humanas ocorridas nos sete primeiros anos da construção de Brasília. Elas são protagonizadas pelos primeiros moradores, pessoas que sacrificaram o convívio de amigos e familiares e se esforçaram para construir sonhos e transformar uma cidade utópica em cidade real.

O livro é de pesquisa e reúne fatos inéditos e narrativas que desfazem enganos e complementam interpretações sobre um período importante do nosso país. “A bailarina empoeirada – Histórias do povo de Brasília” lembra aqueles que lutaram contra tentativas de levar a capital de volta para o Rio ou pelo direito de permanecer na Cidade Livre. Na história oficial, permeada por mitos, os primeiros moradores e a massa de construtores ficou esquecida, assim como as crianças que pisavam o mato, as cozinheiras, os donos dos primeiros botecos, os comerciantes, médicos, advogados, servidores públicos, empresários e prostitutas, que aqui vieram fazer a vida. São todos eles, bailarinas empoeiradas.

Referência do título
Em junho de 1961, cerca de cem prostitutas foram acordadas na madrugada, jogadas na carroceria de caminhões da Prefeitura do Distrito Federal e largadas no meio do cerrado, a cerca de 40 km da capital. Na época, os jornais as chamavam, pudicamente, de bailarinas. Essa é a razão do título que permeia relatos de conquistas da cidadania, a luta pelo direito de moradia e a permanência de muitos pioneiros na cidade que construíram, mas que não lhes dava o direito de ali permanecerem.

Comunicação social – jornalismo (com informações de Luiz Lobo)
OAB/DF