Brasília, 27/05/2011 – Um dos fundadores da Seccional, o promotor público aposentado Gilvan Correia de Queiroz, foi homenageado nas comemorações dos 51 anos da OAB/DF com a medalha Miranda Lima. Seu trabalho foi decisivo para o nascimento da seção da Ordem na cidade.

Ele é detentor da primeiríssima inscrição da OAB/DF, a de número 002. “Não existe a carteira 001”, explicou.

À época, era permitido aos membros do Ministério Público advogarem em alguns casos. Gilvan relatou que, nos primeiros dias de Brasília, vários problemas batiam à sua porta, pois era um dos poucos promotores públicos locais. “Os juizes indagavam aos advogados sobre suas inscrições no DF, uma vez que alguns já fixavam residência e advogavam aqui. Eles vinham a mim para que interviesse junto aos magistrados de modo a fazer com que a situação fosse tolerada, e foi por um momento, até que se resolveu constituir a Seccional”.

Em 25 de maio de 1960, no 7º andar do prédio da Esplanada dos Ministérios, onde funcionava grande parte dos tribunais, cerca de 30 advogados se reuniram para fundar a OAB/DF. Na ocasião, o Dr. Leopoldo Cezar Miranda Lima Filho foi eleito o primeiro presidente da Casa.

Sobre a inexistência da carteira 001 do DF, Queiroz conta que a decisão partiu de todos os envolvidos.

“Recém-chegados a Brasília, éramos todos iguais, imbuídos do mesmo espírito. Ninguém era melhor que ninguém; então, para evitar animosidades, resolvemos fazer o sorteio das inscrições sem o número 1. Pegamos uma caixa, colocamos os números e eu acabei ficando com o número 2”.

Outro homenageado foi o pioneiro da advocacia em Planaltina, José Lapa da Rocha, que conta mais de 35 anos de militância na profissão. Em 1991 foi designado representante da Ordem perante o Fórum da cidade e a comunidade local pelo então presidente da OAB/DF, Esdras Dantas de Souza. Lapa teve participação decisiva para o nascimento da Subseção, em 1998, e hoje é seu presidente de honra. A sala do advogado no Fórum recebe seu nome.

“Fico lisonjeado em participar desta homenagem. A relevância do trabalho prestado por esta respeitável instituição é incomensurável. No momento em que nos dispomos a contribuir com ela, incorporamos um dos propósitos primeiros da advocacia, que é o de trazer o bem à sociedade”, declarou.

Reportagem – Demétrius Crispim
Foto – Valter Zica
Assessoria de Comunicação – OAB/DF