Brasília, 10/2/2015 – O Superior Tribunal de Justiça conta agora com um ponto de descarte seguro de cartões de crédito, de lojas, de planos de saúde, entre outros. Um novo equipamento instalado na Praça do Servidor do STJ vai dar um fim mais adequado aos cartões, que são feitos de PVC e podem levar anos para se decompor. Apelidado de  “Papa Cartão”, o equipamento corta os cartões em tiras, que depois podem ser aproveitadas na confecção de pranchetas, porta lápis, pisos etc. O equipamento pode ser usado por advogados e o público em geral. O processo de descarte é totalmente seguro, já que o cartão é destruído sobre o chip, separado e depois triturado para ser aproveitado.

Renata Silva Côrtes, da Assessoria de Gestão Socioambiental (AGS), diz que a ideia de trazer a “Papa Cartão” para o Tribunal surgiu em 2012. “Conheci o equipamento e o Renato Soares de Paula, que desenvolveu o sistema, em uma conferência e quis trazer o sistema para cá”, conta. Renato Soares, diretor da RS de Paula, diz que eles começaram o projeto de reciclagem há três anos e já recolheram mais de um milhão e 300 mil cartões. “Comparado a outros recicláveis, o volume ainda é pequeno, mas tende a crescer”, afirma. O empresário destaca que o seu projeto segue o princípio de logística reversa, em que as empresas assumem a responsabilidade de dar um fim aos seus produtos sem agredir o meio ambiente. “Hoje já temos 15 pontos de coleta em Brasília, incluindo o STJ, a Câmara dos Deputados e os ministérios”, salienta.

O objetivo foi criar um equipamento simples, movido à manivela e de fácil operação. A própria empresa faz a coleta dos resíduos, que passam por uma triagem para serem reaproveitados. Outro ponto que Renato Soares destaca é que o processo utiliza basicamente pressão e calor para reaproveitar os resíduos do cartão, dispensando resinas e outros aditivos e diminuindo o impacto ecológico.

Fonte: STJ