Valor Econômico: Projeto do CPC vai para consulta pública

Brasília, 14/04/2011 – O Ministério da Justiça lançou ontem um processo de consulta pública on-line sobre o projeto de reforma do Código de Processo Civil (CPC), aprovado em dezembro pelo Senado e encaminhado à Câmara dos Deputados. Entidades e cidadãos terão 30 dias para sugerir mudanças nos mais de mil artigos, que alteram substancialmente a tramitação das ações judiciais e, consequentemente, a rotina dos advogados. O site da consulta é www.participacao.mj.gov.br/cpc.

Segundo o secretário de assuntos legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira, a expectativa é que o projeto seja aprovado até o fim do ano. “É um tempo razoável para um bom debate”, afirmou. Durante a cerimônia de lançamento da consulta, na manhã de ontem, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux – que presidiu a comissão de juristas responsável pela elaboração da proposta do novo CPC – disse que o objetivo é diminuir o tempo de tramitação dos processos, evitando a “litigiosidade desenfreada” e o uso excessivo de recursos. “O problema não está no Judiciário, mas nas leis processuais”, afirmou. Enquanto a Suprema Corte americana julga 90 processos por ano, disse o ministro, existem atualmente no Superior Tribunal de Justiça (STJ) 250 mil processos para julgamento. “Não há tribunal que consiga.”

A menina dos olhos do projeto é o “incidente de resolução de demandas repetitivas”, pelo qual um tribunal suspenderia a tramitação de ações idênticas até definir o tema em discussão. “O contencioso de massa não pode ser tratado como litigiosidade de varejo”, disse Fux, lembrando que, enquanto atuava no STJ, julgou mais de 50 mil ações de assinantes de telefonia discutindo o mesmo assunto: a legitimidade da cobrança da assinatura básica.

A proposta de reforma do CPC enfrenta duras críticas da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), que se reuniram na semana passada em um seminário onde manifestaram suas opiniões.

Para a OAB-DF, a tramitação no Senado foi rápida demais. “O texto precisa de maturação, é preciso discutir absolutamente tudo”, afirmou o advogado Caio Leonardo Bessa Rodrigues, presidente da comissão da OAB-DF que acompanha a reforma. Para ele, os problemas incluem a “flexibilização processual” e a “oferta de poderes excessivos ao juiz”. Rodrigues também diz que “existe uma propensão de empurrar o sistema judicial brasileiro para a common law.” A posição não reflete, no entanto, o entendimento do Conselho Federal da OAB, segundo o presidente da entidade, Ophir Cavalcante.

Ainda mais crítica, a CNI defende alterações de pontos específicos do atual código, ao invés da reforma. Uma das preocupações da entidade é artigo 77, que trata da desconsideração da personalidade jurídica, pela qual os sócios são levados a responder pelas dívidas de uma empresa. “O artigo ignora tudo que vem sendo discutido, como a não decretação da responsabilidade pela mera inexistência de patrimônio”, afirma a gerente de consultoria jurídica da CNI, Sylvia Lorena Teixeira de Sousa.

Fonte: site Valor Econômico


Fique Informado

Fale Conosco


SEPN 516 Bloco B Lote 7 | Asa Norte | Brasília/DF | 70770-522 - Salas do Advogado

[email protected] - [email protected] - (61)3036-7000

Parceiros: