Brasília, 25/3/2015 – A OAB/DF realizou, nesta quarta-feira (25), duas das habituais cerimônias de entrega de carteiras para advogados aprovados no Exame da Ordem. Os novos profissionais fizeram o juramento diante de representantes da casa, familiares e autoridades.

O presidente da OAB/DF, Ibaneis Rocha, falou sobre o compromisso assumido pelos advogados em seu discurso. “Vocês que hoje ingressam nessa Casa, tem a responsabilidade de carregar um dos diplomas mais importantes de todas as profissões. É muito gratificante, mas é também um fardo muito pesado”. Ibaneis ressaltou que os advogados devem se preocupar com a ética, porque segundo ele, a comunidade confia nos profissionais. “Nós temos que continuar seguindo assim, acreditados pela sociedade. Disso vocês não podem abrir mão”, disse.

Segundo a oradora da primeira turma, Juliana Neves, o advogado simboliza a esperança. “Temos a confiança daqueles que buscam nossos préstimos, e estaremos munidos de ferramentas capazes para a efetiva atuação como operadores do Direito”. Juliana aconselhou aos novos profissionais a não desistirem e enfrentarem as dificuldades da carreira: “Perseverar é o lema”.

O paraninfo da primeira turma, especialista em Processo Civil e Direito Eleitoral, Márcio Luiz Silva, relatou que a advocacia é uma profissão no4bre e que seus valores são imateriais. “O que faz um bom advogado não é necessariamente a causa em si, mas sim a dignidade com que defende seu cliente frente ao poder estatal”, disse. O advogado acrescentou que a liberdade e a dignidade são valores que jamais podem ser perdidos.

O vice-presidente da Seccional, Severino Cajazeiras, deu as boas-vindas aos advogados e reafirmou que a OAB, a partir de agora, é a casa dos novos profissionais. Segundo Cajazeiras, o exame de Ordem é de extrema relevância, porque ele garante o valor e as prerrogativas dos advogados. “Nós estamos enfrentando um dos momentos mais difíceis da vida política do país, e vocês tem a importante missão de trabalhar em prol da sociedade brasileira”, disse.

Segundo a oradora da segunda turma, Maria Tereza Perez, os novos advogados estão agora diante de um desafio: “Todo esforço será necessário para que possamos, de maneira honesta, representar os direitos de toda nossa sociedade”. Perez acrescentou que os profissionais devem ter amor pela advocacia e pelo papel que ela representa, “somente assim conseguiremos fazer a diferença na busca pelo ideal de justiça”,disse.

3O paraninfo da segunda turma, ministro aposentado do Tribunal Superior do Trabalho, Luiz José Guimarães, falou sobre a corrupção e o atual cenário político do Brasil. Para ele, os novos advogados são a esperança para a mudança do país. “Desejo força e coragem para que não esmoreçam nunca, e ajudem a resgatar a honra da nossa nação”.

Compuseram mesa na primeira entrega de carteiras, o vice-presidente Severino Cajazeiras, o secretário-geral adjunto Juliano Costa Couto, o conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Esdras Dantas, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral Henrique Neves da Silva, o membro honorário vitalício Amauri Serralho, além dos conselheiros Jorivalma Muniz de Sousa, Laura Maria Costa Silva Souza, Erick Endrillo, e o ex-conselheiro Telson Luis. Ainda participaram os advogados Almiro Cardoso Farias Junior, Paulo Alexandre Silva e o ex-presidente da Subseção de Sobradinho e administrador regional da Sobradinho, Divino Sales.

Compuseram mesa na segunda entrega de carteiras, o vice-presidente da OAB/DF, Severino Cajazeiras; o secretário-geral adjunto da Seccional, Juliano Costa Couto; o paraninfo Luiz José Guimarães; o presidente da Comissão de Bioética, Biodireito e Biotecnologia, Felipe Bayma; o vice-presidente da Comissão de Direito do Trabalho, Dino Andrade; o presidente da Comissão de Seleção, Maxmiliam Patriota; o defensor público Renê Loureiro; e os membros da OAB Jovem, Paulo Silva e Daniel Amorim.

Confira abaixo as ideias dos oradores das duas turmas sobre seus planos, expectativas e metas na nova jornada profissional:

2Juliana Pereira da Silva Neves – 33 anos

Por que você escolheu ser advogado?

Eu resolvi seguir a carreira de advocacia, porque na época eu estava estudando para concurso, eu queria estudar as matérias básicas para passar. Eu me apaixonei por essa belíssima profissão. Eu acabei sendo levada a querer participar dessa vida.

Como você se vê profissionalmente daqui a 10 anos?

Eu pretendo advogar.  Paralelo a isso eu ainda não desisti dos concursos públicos. Eu me vejo como uma advogada de sucesso, pretendo abraçar a profissão, aprender, me dedicar a carreira e ter o nome conhecido no país todo. Se Deus permitir, eu quero ter meu próprio escritório. A minha prática é em Direito Penal, mas já trabalhei muito em processo administrativo. Direito é um ramo tão amplo que nada impede que eu siga outros caminhos.

Para você, qual o papel da Ordem na sua jornada profissional?

Eu acredito que a Ordem luta justamente pelos direitos dos advogados, porque não é uma profissão fácil. A OAB nos auxilia e isso é muito importante, porque sem ela não somos ninguém. A Ordem nos representa e, muitas vezes, está a frente dos nossos direitos.

1Maria Tereza de Couto Perez – 24 anos

Por que você escolheu ser advogado?

Porque era um desejo que eu tinha desde pequena. Eu sempre quis ajudar as pessoas, lutar pelos direitos fundamentais e transformar o desejo de uma pessoa ou de um grupo em algo concreto.

Como você se vê profissionalmente daqui a 10 anos?

Eu pretendo ter meu próprio escritório. Me vejo atuando na área tributária, trabalhista e econômica, que são as áreas que mais tenho afinidade. Eu já participo da OAB Jovem e pretendo participar de outras comissões.

Para você, qual o papel da Ordem na sua jornada profissional?

O papel da OAB é fundamental, tanto para o advogado, quanto para o judiciário e para o individuo. A Ordem traz o equilíbrio da sociedade. Como estudante eu recebi todo suporte que precisei. A OAB abre portas e traz muitas oportunidades para os advogados.

Reportagem – Érica Fontoura
Fotos – Valter Zica
Comunicação social – jornalismo
OAB/DF