Brasília, 15/12/2012 – Com a distribuição de leite em pó, latas de doce, balas, panetones, cestas básicas e brinquedos, nesta quinta-feira (15) a OAB/DF participou de mais uma campanha social. Desta vez, em parceria com a Rede Feminina de Combate ao Câncer, a Ordem atendeu cerca de 300 mulheres em tratamento no Hospital de Base de Brasília (HBB), por meio das Comissões da Mulher Advogada e de Direitos Sociais.

A atividade foi realizada no ambulatório do hospital, com programação bastante participativa. Na abertura, uma paciente cantou a música “Cuida da Minha Casa, Cuida da Minha Vida”. Em seguida, o diretor do HBB, Julival Fagundes Ribeiro, falou das reformas que estão sendo realizadas para melhorar o atendimento e garantiu: o paciente será o mais beneficiado.

O toque suave de uma gaita entoando músicas natalinas também chamou a atenção. Era o senhor José Wilson dos Santos, de 58 anos, que acompanhava sua esposa Dalvina. Segundo o gaitista, ela está fazendo tratamento contra um tumor muito grave. “Mas isso não me desanima. Estou confiante”.

Câncer de mama

A situação das mulheres mães de família beneficiadas pela campanha é muito parecida. Além da carência material, passam por dolorosos tratamentos. A maranhense Maria Madalena Silva de Sousa Avelar, de 63 anos, veio para Brasília em 1993. Descobriu o câncer em 2009, tirou a mama esquerda e continua se tratando. Mãe de seis filhos, ela tem 22 netos. Ao receber a cesta básica, leite, doce e brinquedo para a netinha, não se conteve: “Tô muito feliz. Isso aqui foi uma bênção”.

Desempregada e sem qualquer fonte de renda, Luzineide Rodrigues, 48 anos, também vive tempos difíceis. Mora sozinha em Águas Lindas de Goiás. Conta com a ajuda de um filho e uma cesta básica mensal fornecida pela Rede Feminina de Combate ao Câncer. Ela fez tratamento para um câncer de mama e em janeiro retoma a rotina medicamentosa, porque a doença atingiu a coluna. “A gente gasta muito com exame, e qualquer coisa que a gente ganha ajuda muito”.

Conforme a presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/DF, Maria Claudia Azevedo de Araujo, atingiu-se o objetivo: levar alegria e conforto a famílias que já estão sofrendo muito com os tratamentos. “A maioria não conta com alimentação apropriada, e a ajuda da sociedade é de fundamental importância. Temos que ter consciência da nossa responsabilidade pelo próximo”. E para a coordenadora da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Vera Lúcia Bezerra, fazer este trabalho significa amor, esperança e vida.

Reportagem – Helena Cirineu
Comunicação Social – Jornalismo
OAB/DF