CAPUTO DIZ QUE DEMOCRACIA PERDE COM JOVENS LONGE DAS URNAS

A queda na participação de jovens com 16 e 17 anos nestas eleições é uma perda para a democracia, destaca o presidente da OAB/DF, Francisco Caputo. Nesta faixa etária, o adolescente não é obrigado a votar. O baixo interesse pode refletir desencanto e descrédito com a política, enumera Caputo. “Mas o mais grave é a falta de informação. Em uma democracia não existe arma mais poderosa que o voto”.

Segundo dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, a quantidade de jovens que têm a opção de registrar ou não o voto nas urnas diminuiu ao longo dos últimos quatro anos no Distrito Federal. Em 2006, havia no DF 1 milhão e 600 mil eleitores, desses 1,46% era formado por adolescentes. No pleito deste ano, o número de votantes aumentou, são 1 milhão e 800 mil, e apenas 1,36% desse total é composto por jovens com 16 e 17 anos.

Se negar a votar é abrir mão da mudança, argumenta Caputo. “Não fazer nada é transferir a outro o poder de fazer por você, escolher por você”. Para o presidente da OAB/DF, a educação também deve incluir cidadania, seja na escola ou dentro de casa. “Não se interessar pelo voto é não se interessar em exigir bons hospitais, escolas de qualidade, transporte eficiente. Uma coisa é reflexo da outra”.


Fique Informado

Fale Conosco


SEPN 516 Bloco B Lote 7 | Asa Norte | Brasília/DF | 70770-522 - Salas do Advogado

[email protected] - [email protected] - (61)3036-7000

Parceiros: