Brasília, 26/6/2013 – O presidente da OAB/DF, Ibaneis Rocha, recebeu 100 novos advogados, que prestaram compromisso perante a diretoria, o conselho e a sociedade, em solenidade de entrega de carteiras, nesta quarta-feira (26), no auditório da Seccional. Os advogados iniciantes receberam, além da carteira profissional, o bóton de identificação.

“Nesse momento, muitos dizem em que o país passa por uma conturbação social. Eu entendo que não, passamos por um momento de muita alegria e democracia. Um momento em que a nossa Constituição completa 25 anos em 2013 e demonstra a todos nós que está preparada para enfrentar todas as dificuldades. Dentro desse sistema Constitucional temos as soluções para todos os conflitos. Todos vocês, novos advogados, têm esse compromisso social na garantia dos Direitos Humanos, da Justiça Social”, disse.

O orador da turma Eduardo de Oliveira Paes afirmou que aquele que tem o sacerdócio da advocacia na alma, não titubeia na sua capacidade de lutar por aquilo que acredita, não se resigna nem esmorece. “É dessa força, inerente ao ofício da advocacia, que se tem como conceber o inevitável sucesso”, disse. Ele também lembrou do dever ético que cada advogado deve ter. “O Direito é o meio de mitigar as desigualdades para o encontro de decisões justas e a Lei é o instrumento para garantir a igualdade de todos”, apontou.

entrega de carteiras 26-06-2013 167O paraninfo, o conselheiro federal e presidente da Comissão Nacional de Relações Internacionais da OAB, Marcelo Lavocat Galvão, disse que ser advogado é muito mais do que defender o cliente em juízo. “O combate diuturno em prol da consolidação e da defesa dos direitos fundamentais do cidadão, dos alicerces do regime democrático, e da Ordem Jurídica como um todo, passa a ser missão igualmente essencial”, argumentou. “Unidos a mais de 750 mil profissionais, os novos advogados deverão auxiliar no controle da rigidez das normas jurídicas editadas pelo Poder Legislativo, pela regularidade de nossas eleições para Executivo e Parlamento, no combate à corrupção de agentes públicos, na defesa dos Direitos Humanos e nos segmentos minoritários da sociedade. A razão é que a Constituição diz que o advogado é indispensável à administração da Justiça”, defendeu.

Também participaram da mesa o vice-presidente da OAB/DF, Severino Cajazeiras, a secretária-geral da Seccional, Daniela Rodrigues Teixeira, o diretor-tesoureiro, Antonio Alves Filho, e os conselheiros Seccionais Camilo Noleto, Jackson Di Domenico, Carlos Augusto Lima Bezerra, Elísio de Azevedo, Ítalo Maciel Magalhães, Maxmiliam Patriota Carneiro, Walter de Castro Coutinho e Wesley Ricardo Bento.

Reportagem – Tatielly Diniz
Fotos – Valter Zica
Comunicação Social – Jornalismo
OAB/DF