Brasília, 26/10/10 – O 1º Encontro Regional dos Advogados Jovens recebeu para a mesa de debates do sábado (23/10) representantes de Goiás, Mato Grosso e convidados do Pará e Guiné Bissau. Os advogados relataram suas experiências como jovens profissionais nos respectivos estados.

O advogado guineense, Emílio Ano Mendes, iniciou os trabalhos. Explicou o funcionamento da Justiça em Guiné Bissau e contou a história de instabilidade política e econômica de seu país, arrasado pela guerra civil e golpes de Estado.

O secretário-geral da Comissão dos Jovens Advogados da OAB/PA, Juliann Lennon, iniciou sua exposição com elogios à organização do encontro e afirmou que sua Seccional pretende realizar um evento semelhante, na região norte. Para ele, a condição de trabalho para o iniciante melhora a cada dia no Pará. “É importante que o advogado se qualifique. Temos dado nossa contribuição promovendo cursos e palestras”.

Em seguida, o presidente da Comissão de Apoio ao Jovem Advogado de Goiás, Enil Henrique de Souza Neto, contou sua experiência no mercado goiano e descreveu algumas situações. “Em Goiânia é raro encontrar escritórios que cobram consulta. Quem aqui vai ao médico e não paga consulta? Temos que mudar essa realidade e isso deve partir da própria classe”.

Bruno Oliveira Castro, presidente da Comissão do Jovem Advogado da OAB matogrossense, entende que existem problemas semelhantes em todos os estados. Segundo afirmou, “a advocacia só sobrevive com colaboração. Se você monta um escritório, é preciso incentivar a participação e isso é uma realidade nacional”.

A vice-presidente da comissão de apoio ao advogado iniciante da OAB/DF, Raquel Oliveira, encerrou o debate e agradeceu aos integrantes da mesa pelas histórias que compartilharam com a audiência. “Todos somos advogados em início de carreira. A troca de experiências e o convívio com outros profissionais são formas valiosas de aprendizado”.

Demétrius Crispim
Assessoria de Comunicação – OAB/DF