Maio se encerra amanhã (31), mas a OAB/DF lembra que a campanha Maio Amarelo – de conscientização no trânsito – é uma atitude para ser praticada o ano inteiro. A segurança viária é responsabilidade do Poder Público e de toda a sociedade.

Juliano Costa Couto, presidente da OAB/DF, lembra que atualmente a maior causa de acidentes de trânsito é pelo uso do celular ao volante. “Não é novidade que dirigir e usar o celular ao mesmo tempo equivale a dirigir bêbado. Isso é muito sério. Temos de ter respeito pela nossa vida e pela vida dos demais”.

Marcone Guimarães, conselheiro da OAB/DF destacou que haja vista a violência no trânsito e o desrespeito à legislação a campanha se torna muito importante. “Eu que sou motorista e também motociclista, e por isso tenho a visão de ambos os lados, reparo muitas vezes a distração e imprudência das pessoas no trânsito, com a velocidade, o uso de celulares o desrespeito a sinalização. E isso gera um número muito grande de acidentes, por isso a necessidade de reforçar a conscientização da população com a Campanha Maio Amarelo”, pontua.

O conselheiro Seccional Alceste Vilela, enfatiza que é preciso mais conscientização e educação sobre a legislação. “A campanha dura pouco, apenas um mês, mas a responsabilidade tem que durar muito mais, o ano todo”.

Luiz Gustavo Muglia, presidente do TED, ressaltou a importância dessa conscientização e lembrou que com a rapidez do mundo moderno, muitas pessoas se esquecem e desrespeitam a legislação e a regra de boa convivência. “Entendo que quando um motorista deixa de prestar atenção no trânsito para atender um telefone ou até mesmo responder uma mensagem, esse viola todas as leis, inclusive as de convivência, e assume o risco do dano. Dano esse muitas vezes irreparável, como o dano a vida. Precisamos nos conscientizar e aderir não apenas a Campanha do Maio Amarelo mas trazer para a nossa vida os seus ensinamentos”, destaca.

O Movimento Maio Amarelo escolheu propositalmente o laço amarelo com a intenção de tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.

Com informações do Movimento Maio Amarelo