A presidente da OAB/DF, Estefânia Viveiros, elogiou a indicação da advogada mineira Carmén Lúcia Antunes da Rocha para a vaga do ministro aposentado Nelson Jobim no Supremo Tribunal Federal (STF). Mais do que uma homenagem à mulher, na opinião de Estefânia, é um reconhecimento à competência da advogada, cujos trabalhos têm se destacado tanto na vida profissional, como também pela sua contribuição à Comissão de Estudos Constitucionais do Conselho Federal da OAB, da qual faz parte.

Para o presidente da Comissão,conselheiro federal Marcelo Ribeiro (DF), o profundo conhecimento de Carmén Lúcia em matérias constitucionais servirá para enriquecer os debates na mais alta Corte de Justiça do País. “Foi uma escolha muito feliz, é a pessoa certa para tão importante função”, afirmou.

Além de integrar a Comissão de Estudos Constitucionais, Carmén Lúcia é coordenadora do Fórum Permanente de Combate à Corrupção Eleitoral da OAB.

Natural de Montes Claros, Minas Gerais, Cármen Lúcia será a segunda mulher a ocupar uma vaga no STF. Formada em Direito pela PUC/MG, a futura ministra do STF foi aluna do ministro Carlos Velloso, que recentemente deixou o Supremo por ter atingido a idade-limite de 70 anos. Atualmente Cármen Lúcia é professora de Direito Constitucional da Universidade Federal de Minas Gerais.