Preocupada em dar suporte à jovem advocacia do Distrito Federal a Seccional promove debates e palestras que instruam e esclareçam aqueles que estão ingressando na profissão. Na noite da última quarta-feira (2), as Comissões de Apoio ao Advogado Iniciante, de Ciências Criminais e o Conselho Jovem, realizaram a palestra “Vencendo na Advocacia”, com um dos grandes criminalistas da atualidade, Pierpaolo Cruz Bottini, para debater as angústias e as ansiedades dos jovens advogados, em especial na área criminal.

Daniela Teixeira, vice-presidente da OAB/DF, considera que o fato de a Casa estar cheia demonstra que os jovens criminalistas estão ávidos por conhecimento e qualificação. “Pierpaolo foi muito assertivo ao vincular o sucesso profissional ao estudo e à dedicação ao cliente. Foi uma excelente oportunidade para todos nós aprendermos um pouco mais sobre o assunto”, pontua.

Cleber Lopes, secretário-geral adjunto da OAB/DF, congratulou as Comissões pela iniciativa e deu boas-vindas a todos. “A OAB do DF se sente absolutamente honrada com a presença de Pierpaolo. Sabemos que é muito salutar eventos que dizem respeito a advocacia criminal e que mostram para os jovens as características de obras doutrinárias como a de Pierpaolo”, afirmou.

Pierpaolo Cruz Bottini, professor do Departamento de Direito Penal, Criminologia e Medicina Forense da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), contou que a advocacia criminal passa pela dificuldade de mostrar para a sociedade que o advogado criminal não é alguém que atrapalha e obstaculiza a justiça, mas sim alguém fundamental para o direito de defesa e para o Estado democrático de Direito. “O advogado criminal presta um serviço relevante à sociedade, que é justamente fazer um contraponto ao Estado e a acusação”, disse.

Para ele, uma das maneiras de o advogado mostrar que o direito de defesa ajuda a sociedade é exercer sua função, estudar os processos, desenvolver teses e combater efetivamente a acusação, sem agressões ou provocações. “Quanto mais técnico e contundente o advogado for mais chances ele tem de convencer o juiz, e essa é a maior prestação que um advogado pode fazer. Exercer o contraditório é fundamental”.

O presidente do Conselho Jovem, Camilo Noleto, considerou que a palestra foi de grande valia à medida que levou aos jovens advogados dicas de um advogado de alto renome no cenário nacional. “Pierpaolo nos ensinou bastante ao chamar a atenção para os cuidados que devemos ter em nossa atuação assídua com os estudos e com todos os fatores que envolvem a causa e os sujeitos do processo, bem como um olhar clínico da íntegra dos processos”.

Filipe Bianchini, secretário-geral da Comissão de Apoio ao Advogado Iniciante (CAAI), acredita que escutar advogados como o Pierpaolo é sempre engrandecedor, principalmente para o jovem advogado que luta para se encaixar no mercado. “A experiência desses profissionais faz com que pensemos além da labuta diária que estamos inseridos. Eles facilitam a busca de novos nichos de mercado e instigam um pensamento crítico sobre o papel do advogado no Estado democrático de Direito”.

Compuseram a mesa do evento o conselheiro e presidente da Comissão de Ciências Criminais, Alexandre Queiroz; o presidente da Subseção do Gama e Santa Maria, Amaury Andrade; a secretária-geral adjunta do Conselho Jovem, Marcela Furst; o coordenador da Subcomissão do advogado criminalista iniciante da Comissão de Ciências Criminais, Pedro Young; a coordenadora dos grupos de estudos da Comissão de Apoio do Advogado Iniciante, Mariana Gondim Ramos e o presidente da Comissão de Comunicação e Eventos da Subseção de Taguatinga, Francisco Wellington.