Brasília, 24/04/2012 – Para demonstrar a insatisfação dos advogados e defensores públicos federais com o sucateamento das carreiras, os dirigentes do Forvm Nacional da Advocacia Pública Federal, da União dos Advogados Públicos Federais (Unafe) e da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef) prepararam uma agenda de mobilização.

A primeira parada foi no Congresso Nacional, em 18 de abril, quando receberam apoio de líderes de diversos partidos à campanha salarial das categorias, entre eles Glauber Braga (PSB-RJ), Jerônimo Goergen (PP-RS), Valtenir Pereira (PSB-MT), Marcelo Castro (PMDB-PI), ACM Neto (DEM/BA), Lincoln Portela (PR-MG) e Guilherme Campos (PSD/SP).

Na oportunidade, os representantes das entidades entregaram documentos com as reivindicações das carreiras, demonstrando a situação caótica enfrentada pelas instituições. Da mesma forma foram apresentados dados sobre a importância da Advocacia Geral da União (AGU) e da Defensoria Pública da União (DPU) para o governo, dando destaque aos resultados desses órgãos.

O presidente da OAB/DF, Francisco Caputo, reafirmou o apoio da Ordem à mobilização e à luta dos representantes da advocacia pública federal, especialmente por ser reconhecida como uma das funções essenciais à Justiça. “Faz parte do nosso projeto promover a valorização da advocacia pública, e o tratamento isonômico das funções essenciais à Justiça está garantido na Constituição”.

Manifestação pública

Para o dia 25 de abril, às 14h, representantes das entidades envolvidas no movimento vão promover uma manifestação pública em frente à AGU e ao Ministério da Justiça. O objetivo é sensibilizar os respectivos ministros para que encampem publicamente os pleitos remuneratórios das carreiras.

Em 9 de maio será instituído o Dia Nacional de Paralisação de Advertência da categoria, com a realização de amplo seminário na Câmara dos Deputados, em horário a ser confirmado. O objetivo é defender os projetos da Advocacia Pública e da Defensoria Pública Federal, com alerta para o sucateamento da AGU e da DPU e o tratamento remuneratório insatisfatório dos advogados e defensores federais.

Na mesma data haverá paralisação nacional de advertência, por 24 horas, das carreiras de delegados e peritos da Polícia Federal, de auditores fiscais e do trabalho, além das Carreiras do Ciclo de Gestão.

Reportagem – Helena Cirineu
Comunicação Social – Jornalismo
OAB/DF