Brasília, 1º de fevereiro de 2012 – O presidente da OAB/DF, Francisco Caputo, designou o conselheiro federal Rodrigo Badaró para representá-lo na abertura do Ano Judiciário, nesta quarta-feira (1º/02) no Supremo Tribunal Federal (STF). A advocacia está sempre vigilante, participando desse cenário. Este ano será de muitas transformações, principalmente pela bela atuação e harmonia que se espera entre o Supremo e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O presidente do STF, ministro Cezar Peluso, abriu os trabalhos defendendo a independência e a transparência do Judiciário. Negou que haja atualmente uma suposta crise no Poder Judiciário e listou programas, projetos, ações e campanhas do CNJ. Ainda há muito por avançar. Este fato, porém, não deve obscurecer os progressos já alcançados.

Segundo Peluso, continuaremos a cumprir nossa função com independência, altivez e sobranceria, guardando a Constituição e o ordenamento jurídico, sem prescindir da humildade e da coragem necessárias às correções de percurso e ao aperfeiçoamento da Justiça, mas também sem temor de defender, com a compostura que nos pede o cargo, a honradez de nossos quadros e o prestígio da instituição.

Em seu pronunciamento, o presidente do Senado, José Sarney, reforçou a importância da harmonia entre o Judiciário, o Legislativo e o Executivo, para que sejam respeitadas as garantias constitucionais dos cidadãos. Também ressaltou que o Congresso Nacional tem trabalhado para aprimorar a legislação brasileira. Temos empreendido uma atualização constante de nossa legislação visando acelerar e otimizar o processo judiciário.

A solenidade contou com as presenças do presidente da República em exercício, Michel Temer; do presidente da Câmara, deputado Março Maia; do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; do procurador geral da República, Roberto Gurgel; do ministro do Tribunal de Contas da União, ministro Benjamin Zymler, entre outras autoridades.

Reportagem Thayanne Braga
Foto Rebecca Omena
Comunicação Social Jornalismo
OAB/DF