O “I Seminário Nacional Digital de Direito Sistêmico: Todos pertencem” teve início nesta quarta-feira (4), alcançando mais de 3 (três) mil visualizações na transmissão pelos canais do Youtube da OAB/DF e do Conselho Federal. Amanhã (5), a programação continua e você não pode perder. O evento é virtual e totalmente gratuito. Acesse aqui e saiba mais.

Idealizado pela Comissão Nacional de Direito Sistêmico do Conselho Federal e organizado em parceria com a Comissão congênere da Seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/DF), esse Seminário é apoiado por mais de 30 Comissões de Direito Sistêmico de todo o país. O evento também teve apoio da Caixa de Assistência dos Advogados do Distrito Federal (CAADF), da OAB 360º .

Para debater sobre os mais diversos assuntos que envolvem o direito sistêmico, mais de 30 profissionais e especialistas renomados estão apresentando em 20 painéis temas que abordam a Prática Sistêmica no dia a dia da advocacia e das comissões, a Inseminação artificial e as consequências no âmbito familiar, a Oratória sistêmica com adolescentes no JBRJ, a Advocacia sistêmica e assessoria jurídica popular, entre outros assuntos.

Segundo o presidente da Comissão de Direito Sistêmico da OAB/DF, Rodrigo Rodrigues Alves, o objetivo do evento é “destacar à sociedade e à advocacia nacional a proposta de repensar o lugar do advogado e da advogada nas políticas públicas de solução de conflitos e fomentar essa nova dimensão do Direito”.

A ABERTURA

O primeiro painel desse encontro, nesta manhã de quarta-feira, teve como tema “Todos pertencem“, sendo palestrante o presidente da Comissão de Direito Sistêmico Nacional e da OAB/DF, Rodrigo Rodrigues Alves, que pediu um minuto de silêncio para as mais de 160 mil vítimas da Covid-19, no Brasil.

O presidente da OAB/DF, Délio Lins e Silva Jr., presente na abertura, parabenizou todos os organizadores e participantes do Seminário e recordou quando Rodrigo Rodrigues Alves, no início da atual gestão, pediu para que a Seccional criasse a sua Comissão de Direito Sistêmico. “Ele definiu Direito Sistêmico em uma frase que nunca esqueci: ‘Direito Sistêmico é olhar o ser humano como ser humano’. Isso dá exatamente a dimensão da importância do Direito Sistêmico”, explicou Délio.

Délio falou, também, sobre o difícil momento que atravessamos com a pandemia do coronavírus: “Vivemos tempos de mudanças e de adaptação. Assim, temos ainda mais necessidade de ver o ser humano como humano.”

Para Délio, a OAB tem um papel relevante para que “os nossos filhos e netos possam viver em um mundo melhor”. Segundo ele, esse mundo virá em um tempo em que as questões de gênero não definirão locais de trabalho e acesso ao poder; em que a cor da pele não definirá como tratar uma pessoa. “Será um tempo que entenderá que somos todos iguais e que estamos aqui da mesma forma que os outros para fazer algo de bom. É assim que penso e enxergo este congresso”, afirmou, por fim.

O QUE É SER SISTÊMICO?

Rodrigo Rodrigues Alves esclareceu que ser sistêmico é pertencer a um movimento que pressupõe olhar o ser humano a partir de nós mesmos e daí voltar-se para o outro ser humano. “Buscamos incluir, olhar e escolher entre ideais e as pessoas. Eu fico com o ser humano, com as pessoas, de acordo com os ensinamentos de Bert Hellinger.”

Neste momento desafiador em que o mundo busca respostas, soluções no enfrentamento da Covid-19, para Rodrigo Rodrigues Alves, “a missão do advogado sistêmico revela-se, reforça-se”. Ele destaca que é uma “atuação inclusiva, ponderada, integrada, uma comunicação não violenta”. Na visão dele, “podemos construir uma sociedade mais pacificada e fraterna”.

Segundo o presidente da Comissão de Direito Sistêmico da OAB/DF, hoje, são quase 120 comissões espalhadas pelo Brasil. “A partir do nosso lugar de fala, na OAB, estamos em pleno funcionamento e crescendo todo dia. E isso é destacado pelo momento de desafio que nos leva a ajudar, a colaborar com a sociedade e pode ser feito pelo advogado sistêmico”, concluiu.

Se você não conseguiu acompanhar ao vivo, veja aqui, na íntegra, o primeiro dia.

A programação continua amanhã, das 9h às 12h, e das 18h às 20h. A cada painel uma comissão do país estará à frente.

Confira a programação completa aqui.

Mais informações em: [email protected]

Comunicação OAB/DF
Texto: Montserrat Bevilaqua e Neyrilene Costa (estagiária sob supervisão de Montserrat Bevilaqua)